review

É dificil encontrar alguém que diz acompanhar mangás e nunca ter ao menos ouvir falar de One Piece, o mangá de maior sucesso no japão de todos os tempos e que é bem reconhecido mundialmente. E dessa vez faremos um post que vale por dois, falando sobre o volume 1 e o 61.

“Por quê?” você deve se perguntar. Bom, obviamente o volume 1 é o começo de toda essa fantástica e absurda aventura enquanto na edição 61 temos um “timeskip“, onde novos leitores podem começar a colecionar a partir dai, pois os personagens passam por um verdadeiro recomeço.

SPOILERS VOLUME 1

Após a condenação a morte de Gol D. Roger, o antigo rei dos piratas, o mesmo após uma declaração final deu início a chamada Era dos Piratas, onde muitos piratas desejam alcançar o posto de rei dos piratas e obter o One Piece, o lendário tesouro que “Gold Roger” possuiu.

Monkey D. Luffy era um garotinho que desejava se tornar o novo rei dos piratas, mas nunca foi levado a serio, principalmente por desde pequeno não ser um cara lá muito inteligente. Após comer sem o conhecimento de Shanks, um pirata que é seu amigo, um dos lendários Akuma no mi, Luffy adquire poderes de borracha, onde todo o seu corpo se torna elástico e que abre espaço para Luffy assim que cresce mais um pouco, a começar sua jornada em busca de seu sonho, de se tornar o rei dos piratas.

SPOILERS VOLUME 61.

Após uma violenta batalha no arquipélago de Sabaody, Luffy e sua tripulação (Zoro, Nami, Sanji, Brook, Usopp, Franky, Chopper e Robin) acabam separados (graças a Bartholomew Kuma no volume anterior para salva-los) e Luffy deixou a eles uma mensagem em seu ombro que deixou seus companheiros cientes de que ao invés de se reencontrarem em 3 dias, que deveriam se reencontrar em 2 anos. E cada um, deixados em uma ilha especifica, recebeu treinamentos que expandiram suas forças e os deixaram mais aptos a encarar seus inimigos. Para alguns o treinamento é mais leve como com Nami, Chopper, Brook e Robin, já Zoro teve de engolir seu orgulho e Sanji teve de manter seu orgulho para treinarem, Franky e Usopp tiveram seus treinamentos e conhecimentos expandidos e Luffy treina diratemente com Rayleigh, o antigo imediato de Gol D. Roger.

Mas o reencontro não seria normal se não ocorresse alguma confusão, como o surgimento de uma falsa tripulação dos Chapeu de palha que tentava formar uma imensa trupe de piratas e apesar das aparencias serem totalmente diferentes dos originais, mesmo alguns deles se enganaram e uma enorme confusão correu.

01Mesmo no volume 61 ser considerado um recomeço e indicado pra quem quer iniciar a série. Comparar os dois volumes pode soar meio injusto devido a evolução no geral, dando a impressão de serem duas séries diferentes, e mesmo neste review, muitos detalhes (ou spoilers, se preferir) foram resumidos. No volume 1 a historia estava começando e estávamos começando a absorver os detalhes iniciais daquele mundo que se mostraria bem bizarro para os padrões de histórias de piratas e com um desenvolvimento mais lento mas com altas doses de comedia pastelão. Porém One Piece ainda precisava mostrar a quê veio. Já no #61 o clima já é mais agitado com muito mais dinâmica e diversidade, já que o foco não é tão focado em Luffy como no volume 01 (apesar de conhecermos Zoro e Nami no primeiro volume), dando mais independência (e corpo ( ͡° ͜ʖ ͡°) ) para Nami e mais robustez e coragem para o eterno medroso do Usopp. A comedia se mostra mais solida e “madura” (sem perder o nonsense). Os traços também mostram um pouco da mudança, detalhes simples nos personagens que podem passar despercebido a principio, 00mas mostram uma ligeira melhora no desing dos personagens, além de mais detalhes nos cenários.

Começar One Piece pelo #61 não irá lhe dar respostas a perguntas que podem surgir, mas convenhamos, são 14 anos de diferença e historias do volume 1 ao 61 e lógicamente não teria como saber essas respostas sem ler os volumes anteriores, mas sem duvida é o melhor volume para iniciar e tecnicamente é melhor do que o volume 1 no geral. No primeiro volume a impressão é de que esta seria apenas mais um manga shonen dentre tantos outros e não seria a série que é hoje, sendo que no volume 61 o mangá já apresenta de cara todo o “peso” que a marca One Piece carrega. Não seria estranho dizer que há mais chances de começar gostando de One Piece do #61 do que pelo #1. Destaque para o acompanhamento de um poster no volume 61 com Luffy e seus rivais. Preferiria um poster com Luffy e a tripulação dos chapéu de palha, mas é um bom brinde mesmo assim.