review
Demografias são as vezes complicadas de entender, mesmo aparentemente simples. Pra quem conhece seinens, dificilmente consideraria Chobits como seinen, ou consideraria?

Uma das obras do famoso grupo CLAMP que em maior parte das vezes cria obras shoujo, o mangá Chobits retorna ao Brasil em um relançamento com papel offset e em um tanko, assim como Guerreiras Mágicas de Rayearth e outros.

SPOILERS IN BLUE

Situado no mesmo universo de Angelic Layer, porém alguns anos a frente, Chobits conta a historia de Hideki, um rapaz relativamente pobre que esta fazendo o possível para entrar na universidade e que observa as grandes maravilhas tecnológicas de sua era, a existência das PersoCons, robôs com aparência feminina que servem para diversos propósitos de auxilio as pessoas.

Hideki sempre desejou possuir uma PersoCon e acabou achando Chii, uma PersoCon jogada no lixo e acabou levando-a para sua casa. Depois de uma ativação inusitada, Chii começa a aprender com Hideki sobre as coisas, como uma criança em aprendizado. Mas Hideki tem seus problemas para lidar com Chii pois ele é um rapaz que nunca conseguiu se envolver com garotas e a aparência e personalidade fofa de Chii o deixa sempre enrolado.

Ao investigar mais sobre o funcionamento de Chii, é descoberto que ela não é como as PersoCons comuns, sendo um modelo aparentemente único e com isso, cheia de mistérios.

Os traços de Chobits são reconhecíveis como CLAMP, porém não no padrão de alto nível como Guerreiras Magicas de Rayearth, mas no mesmo estilo de Angelic Layer, porém um pouco melhores. As capas de Chobits, sempre com Chii fazendo belas poses, dificilmente fariam alguém crer que seria um “seinen” e não shoujo. Bem, vamos tentar entender.

Como dito antes, os traços de Chobits são praticamente iguais de Angelic Layer, que é um mangá shonen! Não há nada relativamente shoujo na historia ou traços de Angelic Layer, sendo uma das poucas obras que fogem do padrão CLAMP de contar histórias, mas em Chobits, a impressão de Shoujo começa nas capas fofinhas e no modo do desenrolar da historia em si.

O termo seinen é em sua essência “mangá para jovens-adultos” e há algumas coisas que rolam em Chobits nesse aspecto como o fato de rolar uma relativa aparição de cenas ecchi e assuntos mais direcionados a relação homem-mulher, mas com foco na maior parte do ponto de vista masculino de Hideki. Mas as características de shoujo são o que mais definem o mangá pois o lado sentimental aparece com mais importancia para a história que é em relação a Chii. O que deixa o mangá “menos shoujo” é o fato do ecchi e das situações mais de “interesse masculino” darem uma temperada na historia.

E no final, Chobits seria recomendado para “leitores de seinen”? Bem, hoje em dia é raro ter leitor exclusivista a uma demografia, mas pra quem espera um Zetman, Hellsing ou Terra Formars – que são obras reconhecidamente seinens e tem as caracteristicas padrão da demografia como batalhas, temas adulto-pesados, violencia e até nudez/sexo – não engoliria Chobits como seinen pois o fato de conter sentimentalismo é característica de Shoujo e temas “adultos” não transformam um mangá em seinen, senão Futari H teria sido seinen.

Alguns podem questionar o porque de Chobits ser considerado seinen. Bem, tudo depende dos japas. Comparado a Angelic Layer que é o predecessor de Chobits em sua cronologia, Chobits herdou só mesmo o traço, mas o modo de como a história é conduzida é apenas “menos infantil” e sem a mesma dose de comedia bobinha e praticamente sem ação. Talvez o fato de certas cenas ecchi serem um pouco mais ousadas 00do que o normal, não chegando nem perto de hentai mas bem mais ousadas que um Love Hina deram a Chobits essa demografia, mas são cenas ocasionais. É mais facil considerar Chobits uma comédia romantica do que shoujo ou seinen, pois ele não se prende muito a nenhuma demografia.

Mas mesmo com essas confusões de demografias, Chobits é do tipo de mangá que muita gente, homem ou mulher pode ler e gostar. Quem gosta de shoujo não sentira muita diferença, quem gosta de ecchi leve e com historia irá se satisfazer, quem gosta de comedia dará boas risadas, quem gosta de CLAMP tem um prato cheio, mas quem quer violência digna de um verdadeiro seinen… Não vai achar aqui.