Eu já reclamei de que não se deve julgar um livro pela capa no review de Rosário + Vampire. Mas naquele caso foi da capa do volume 14 vender o que não tem. Mas já me ocorreu de comprar um mangá por ver uma capa bonita e achar que iria gostar muito. Bem, mais ou menos. Foi o que ocorreu comigo ao adquirir Red Garden.

Dividido em quatro volumes, adquiri o volume 04 de Red Garden bem no principio de quando comecei a colecionar mangás. Olhei a capa e achei muito bonita (apesar de que depois percebi que esse é na verdade o volume com a capa mais fraca de todas). E só o lí muito tempo depois. A principio eu não tinha gostado muito, mas com razão, eu não tinha entendido quase nada. Mesmo assim adquiri os volumes anteriores e comecei a leitura como se deve, fazendo com que minha opinião mudasse com o tempo.

Red Garden

A demografia do mangá oficialmente é seinen, mas pessoalmente considero Red Garden como meu primeiro Shoujo. Há muito foco nas emoções da história, contendo uma elevada carga de Drama e sentimentalismo. Aliado ao fato dos traços suaves e belos em Red Garden são muito a cara de Shoujo/Josei e nem tanto de seinen. Falando dos traços, os  considero um dos pontos fortes do mangá e que por consequência são extremamente superiores ao do anime de onde a série se originou (apesar de não poder confirmar se a história no anime é melhor, já que não o assisti, mas as imagens do anime em comparação tanto com o mangá – que foi feito quase que simultaneamente com o anime, como Madoka Magica – quanto a outros animes do gênero, o visual dos personagens são sofríveis). No mangá, as garotas são lindas em sua maioria, sem precisar apelar pra destacar atributos físicos delas (apesar de algumas cenas de nudez não pornografica). Tantos detalhes das roupas são acima da media quanto os cenários mostram a qualidade da arte criada em Red Garden por Kirihito Ayamura e o legal dos cenários é o fato de que o uso de hachuras ser feito nos cenários de maneira quase que constante. Obvio que não são do mesmo modo como usados por Takehiko Inoue (Vagabond) e Kentaro Miura (Berserk, Gigantomachia) que usam em toda a arte, inclusive nos personagens, mas em Red Garden, a tecnica de Hachuras é usada somente nos cenários e não nos personagens, porém é de notar que a tecnica é usada até na criação de cenas com água e nuvens. Nos mencionados mangas as águas e nuvens se utilizaram de outro tipo de técnica que de certo modo, são mais bonitos quando não hachurados, porém não tiro o mérito de Red Garden pois nota-se que essas cenas deram um imenso e hercúleo trabalho que merece a adimiração e reconhecimento.

Red Garden

Conforme já dito, a demografia oficial é seinen, com muita dose de drama e Terror, mas sendo mais dramático no geral. O manga foca em Kate, uma bela e tímida garota que foi escolhida para ser uma grace, um grupo de estudantes que supervisionam a escola em uma Manhattan de época. As coisas já não iam muito bem quando Kate e outras garotas de sua escola: Rachel, Rose e Clarie acabam sendo mortas e posteriormente “voltam a vida”, não como humanas, mas como animus e agora são obrigadas a caçarem dolores, humanos que se tornam criaturas bestiais. Durante todo o mangá, vemos o drama dessas garotas em ter de lidar com os dolores, que são junto aos animus uma raça amaldiçoada e que ambos desejam a mutua destruição. Os questionamentos e desespero por não serem mais humanas, a dor e as lembranças de Kate em relação a Lise, uma garota que foi morta, mas que é de grande importância para a trama e que foi amiga das demais companheiras de Kate e a aparição de Hervé, um jovem rapaz que é um dolores que ainda não se transformou e que acaba se envolvendo com Kate graças a sua irmazinha que está apresentando os sintomas cedo demais, sendo a ultima mulher de seu clã o que fará com que Hervé tenha planos diferentes de seu clã.

Red GardenApesar de não ter gostado de inicio de Red Garden por ter começado no ultimo volume e de que particularmente drama e terror não ser minha praia, ao ler a serie do inicio eu consegui apreciar a obra, principalmente por entender melhor o que estava acontecendo. E aliado aos belos traços e alguns poucos momentos de alivio cômico ajudou para que eu conseguisse curtir a leitura. Há bons momentos de ação que justificam um pouco a demografia de seinen.

No fim, Red Garden sobreviveu no meu conceito e acredito que esta serie da NewPop agradará aos fãs de drama em principal. Não há respostas para tudo, mas o que tem chega a ser satisfatório.