Qual aluno nunca quis que seu professor morresse? Eu não, mas muita gente que conheço sim. E se para se formar fosse necessário mata-lo? E ainda no caminho salvar a humanidade? Essa é a premissa básica de Assassination Classroom.

Em AC (não é Assassin’s Creed!) tudo começa quando uma criatura-polvo amarela praticamente indestrutível e invencível resolve destruir a lua como aviso e para que não destrua a terra em 1 ano, deverá ser morto pelos alunos da Turma E, um grupo de alunos marginalizados pela escola devido a seu pessimo rendimento escolar e esses alunos terão a criatura (agora chamada por eles de Koro sensei) como professor.

Apesar da premissa parecer pesada, em AC a comedia rola solta. Segundo é dito, AC é uma critica aos métodos de ensino japoneses e apesar de não conhecer como realmente são as coisas por lá, já vi em alguns animes que existem as “turmas dos perdedores”. No caso da turma E de AC, diferente das turmas em outros animes, não é uma turma de fracassados idiotas nonsense mas sim de “fracassados normais”, desses que encontraríamos na sua, na minha, em qualquer escola, pois ninguém é perfeito em todas as matérias. Aparentemente isso deve ocorrer no Japão, talvez com certo exagero, típicos em mangas, talvez não.

Assassination Classroom

Em cada aula, os alunos tem ao mesmo tempo que aprender suas matérias corriqueiras, quanto tem de aprender técnicas de assassinato e tentar aplica-las em Koro-sensei. Alguns podem se questionar se esses ensinos podem ser prejudiciais aos leitores e ensina-los a efetuar atitudes criminosas, devo deixa-lo tranquilo quanto a isso. Não é o mangá que leva pessoas de mente fraca a cometer insanidades. As “técnicas de assassinato” são surreais e dificilmente poderiam ser aplicadas na vida real. O professor, apesar de ser um monstro, é psicologicamente tudo o que um aluno normal desejaria que seus professores fossem (e se alguém desejar matar uma pessoa assim, este sim é deficiente mental e precisa de ajuda). O que mais ocorre basicamente são situações onde o professor ensina a seus alunos a superar suas próprias barreiras, os ajudando a se livrar psicologicamente do peso de serem da turma E e o tema de assassinato ser apenas um modo de deixar a história interessante, mesmo sem ter violência suposta a existir com a premissa do mangá.

Os capítulos tendem a serem independentes, tendo poucas conexões entre eles, as vezes focados em algum aluno em especifico, mas o aluno mais destacado no mangá é o Nagisa, um garot(O) que usa Maria-chiquinhas(?!) e mesmo que a história seja com tema de outro aluno, quase tudo em AC é contado apartir de seu ponto de vista, deixando Nagisa como um dos protagonistas. Como protagonista, ele não é o típico idiota genérico, pendendo para ser como Kuroko de Kuroko no Basket, ou seja, o “protagonista invisível”. Mas diferente de Kuroko que consegue ser legal mesmo sem ser expressivo, Nagisa não é o personagem que consegue conquistar fácil ao leitor (e aquelas Maria-chiquinhas incomodam muito, era melhor que fosse mulher logo, mas até o momento, nada na história indica alguma opção do personagem). A “importância” de Nagisa na história é que ele quem toma nota de todas as fraquezas de Koro-sensei e provavelmente usará delas nos momento finais do mangá.

Dos demais personagens, temos de tudo, menos o aluno-bonzinho-idiota-justiceiro (ao menos não em nenhuma das edições lançadas no Brasil ainda). Temos sim alguns alunos semi-psicopatas, professora safada, alunos gênios incompreendidos, nerds e outros tipos encontrados em qualquer escola real, claro que com os exageros necessários a um mangá. Até AI (Artificial Inteligence ou Inteligência Artificial) temos inserido na história e quem for bom de raciocínio percebe a referencia ao tipo de aluno que é, e mesmo assim Koro-sensei consegue ensinar a ela.

Assassination Classroom
Referente ao traço, os personagens possuem um estilo bem simples mas não genéricos, não deixando portanto que AC se pareça com algum mangá genérico. Apesar de isso ser bom por um lado, por outro, apesar de AC ter um estilo próprio, não é algo tão bonito e nem tão feio, mas apenas um traço OK. Mas mesmo nessa simplicidade, o sempre sorridente, mesmo quando zangado Koro-sensei consegue lhe fazer rir com poucas mudanças de expressões.

Assassination ClassroomApesar de tempos de terrorismo, violência urbanas e guerras, Assassination Classroom consegue usar do tema de assassinato de modo cômico com maestria, sem precisar forçar a nenhuma podridão como tantas novelas, filmes, seriados e até mangás.