Como fazer para transformar a história original que deu origem ao filme No Limite do amanha, que teve o astro Brad Pitt como protagonista em mangá? Chame um dos astros dos mangas que fez as artes dos famosos “Bakuman” e “Death Note” para converter de light novel para manga a história de All You Need is Kill.

Em AYNIK, temos a história do soldado japonês , um novato que estaria participando de sua primeira batalha contra os mimetizadores, monstros que estão dizimando a terra. Só que Kiriya Keiji foi morto em batalha e enquanto ouvia as palavras de conforto de Rita Vrataski, uma das mais poderosas soldados do exercito americano que destruía os mimetizadores como se fossem nada (é, uma americana com nome que soa Alemão ou Russo! mas enfim). Tudo acabaria aí se Keiji não retornasse ao ponto do dia anterior a sua morte e revivesse todo o trajeto o trajeto e perceber que sua vida agora está em Loop. Keiji percebe que mesmo preso a esse Loop, é capaz de alterar os aspectos do dia e que existe uma remota possibilidade de sobrevivência e tudo o que ele precisa é matar os mimetizadores e escapar do Loop. Dai vemos Keiji cada vez mais crescendo como soldado e tornando sua personalidade algo totalmente diferente do que ele começou. Se tornando tudo um jogo de tentativa e erro, como usar o famoso respaw em games tipo Call of Duty e continuar do ultimo checkpoint.
All You Need Is Kill

Um fato sobre AYNIK é que quem conhece a arte de Takeshi Obata, compra o mangá sem pensar duas vezes. Particularmente não conheço nem a novel original e nem o filme No limite do amanha (não assisto muito a filmes, apesar de gostar) e quem conhece ao menos Bakuman e Death Note, sabe que a ação nestes não é uma constante, sendo mais “cabeça” do que ação. Em AYNIK já vemos mais o lado da ação e quase gore que Obata é capaz de fazer, mas ainda mantendo um pouco do lado “cabeça” em menor escala. A arte de Obata evoluiu mais na área de cenários, as armaduras roboticas e os mimetizadores estão incríveis. Já em questão de personagens, não há muitas diferenças notáveis. As garotas por exemplo poderiam ser confundidas com qualquer garota de outras obras (tirando Misa amane de Death Note) com exceção de Rita, que apesar de seu cabelo lembrar o do Light Yagami (DN) sendo mais comprido, não se parece com um Light de peruca e consegue ser uma personagem mais individual assim como Misa. Já Keiji se parece uma mistura visual de L com Light, deixando quase impossível não comparar com DN, principalmente quando o lado mais agressivo de Keiji aflora, o deixando quase um Kira de armadura. É preciso ler bem a história para perceber que Keiji não é um “novo Kira”, mas sim um outro personagem, com outra personalidade. Ele não quer ser um “deus”, mas ser o soldado capaz de lidar com os monstruosos mimetizadores.
All You Need Is Kill

All You Need Is KillAntes de ler All You Need is Kill, minha preocupação era do manga ser repetitivo devido aos loops pois na teoria, todos os loops seriam retratados, o que não é o caso. A história mostra o suficiente para qualquer fã do estilo gostar da obra sem reservas. E o preço abaixo do padrão é outro ponto muito a favor. Se você assistiu No limite do amanha, deve conferir o manga, se você como eu não viu o filme, vai querer ver depois de ler o mangá.