“Eu vou dizer o que acontecerá amanhã”. Uma das frases recorrentes do mangá Phophecy do qual eu vou dizer o que acontece nele agora.

Em um mundo “conectado” como o nosso, coisas como “Cybercrime” ou “Cyberterrorismo” podem soar estranhas aos que vêem a internet apenas como um meio de bater papo no Facebook. Mas dizendo de um modo mais simplista, são crimes cometidos via internet de variados modos. O título Prophecy (profecia) encaixa perfeitamente com o contexto dos cybercrimes executados por quatro rapazes que em vídeos hospedados em um forum anônimo anunciavam seus “crimes” que iriam executar no dia seguinte e dos quais eles executavam.
Prophecy

Para dete-lo, o departamento anti-crimes ciberneticos da policia japonesa, liderados pela bela Erika Yoshino,  foi acionada para impedir que os novos crimes anunciados ocorressem. De um lado temos a investigadora e seus auxiliares que lutavam para investigar e tentar capturar o “homem-jornal” que como dito antes não era um, mas quatro rapazes que se organizavam para realizar a profecia.

Muitos irão comparar Prophecy com Death Note devido as tramas e investigações que ocorrem em suas respectivas historias. Enquanto em Death Note a situação é fantasiosa e as vezes mais complexa de entender no quesito investigação, Prophecy em três volumes é menos complexo e mais realista e não deixa a trama esfriar em nenhum momento dos três volumes, mostrando situações bem próximas da realidade mundial, inclusive do Brasil onde questões como a intervenção política sobre a internet é pincelada.

Prophecy

Perceba que em certo ponto do review eu mencionei “crimes”, entre aspas, pois apesar das atitudes feitas pelo homem-jornal serem consideradas crimes, principalmente pela atual moda do “incitação ao ódio“, tudo o que o grupo fazia tinham “razões” que fazem o leitor questionar sobre o certo e o errado, principalmente pelas atuais leis que não tem defendido as pessoas de bem e facilitam a “vida” de criminosos no Brasil. E mesmo com todo o questionamento que surge durante a leitura, a motivação do homem-jornal só aparece nos momentos finais da trama, fechando a história de um modo inesperado e sem furos.

O traço em Prophecy pode parecer meio estranho a principio devido a finura “quase Shojo”. Mas o estilo é bem serio é não estraga o clima violento e impressionante da serie. Não se engane por essas imagens, no papel os traços parecem bem mais finos.
Prophecy

Prophecy é uma das surpresas mais interessantes da JBC em 2014. Uma serie obrigatória para quem gosta de investigação, suspense e historias que condizem com nossa realidade, principalmente agora que a Sony foi hackeada supostamente pela Coreia do norte e um grupo “hackeou a internet“. Uma otima leitura para entender melhor o clima de tensão que rola na internet.