Muito antes de meu interesse por mangás, fui fã de comics, principalmente dos heróis da DC (nada contra a Marvel, gosto de seus personagens, mas prefiro as historias antigas e não as atuais da “casa das idéias”). Apesar de acompanhar alguma coisa dos “Novos 52” (atual fase das historias da DC) e gostar da maioria das mudanças (não do que fizeram com o Lobo por exemplo), a preferencia por mangás em historias com inicio e fim faz com que eu prefira os quadrinhos orientais (ok, One Piece é exceção e não acaba nunca, mas falar de One Piece já é clichê!). Ver historias fechadas de heróis americanos clássicos em formato Mangá é com certeza o desejo de todo fã de quadrinhos em geral e ocasionalmente surgem alguns destes, sendo um dos mais recentes Batman: A Máscara da morte, lançado a pouco no Brasil pela Panini.

Em BMM, Bruce Wayne relembra de seu passado em um dojo no Japão e através de sonhos e casos estranhos ocorridos, acaba tendo que encarar a sí mesmo e questionar quem é ele: Bruce Wayne? Batman? Ou outro? Qual é o real e qual é a mascara? E seria uma mascara mística a origem do morcego? Além de todo esse questionamento há o caso bizarro de mortos que possuem sua face arrancada e que de certa maneira, o caso está de certa forma ligado ao morcegão.

Tirando Batman/Bruce Wayne e o fiel mordomo Alfred, nenhum personagem na trama já existe/existiu na cronologia oficial. Não espere nenhum personagem com muito destaque, apesar de uma “ajudante” fantasiada aparecer mais próxima dos momentos finais da história, sendo que a mesma esta de certa maneira ligada ao passado de Bruce, não creio que ela faria falta ao universo DC e nem a uma possível seqüência de BMM, apesar de ter feito seu papel nesta história. Mas sabem como editoras americanas são, não é verdade?

Confesso que não sei de fato se essa história consta na cronologia oficial, mas faria todo o sentido, principalmente se compararmos com o morcego do filme Batman: O cavaleiro das trevas.

Com uma arte de qualidade, que transita entre o Gekiga e comics, vemos algo que confirma minha teoria: Que Batman funciona perfeitamente bem em mangás. Não da pra saber exatamente a época dessa história, se seria antes, durante ou pós Liga da Justiça ou se o Robin existe ou já existiu, mas o Batman apresentado não é muito novo, já sendo praticamente um quarentão e o Bruce Wayne do presente parece mais velho ao comparar com o dos novos 52 e o design de Batman remeter ao do já mencionado filme. Se agradará aos fãs mais xiitas não sei ao certo. Enquanto o uniforme do Batman de BMM funciona bem em filmes, achei meio esquisito em quadrinhos e não é questão de ser mangá, é questão de ser bem diferente do que vemos nos quadrinhos, sendo o mais proximo o visual de Injustice: Gods among Us, do qual eu também acho o design de Batman meio estranho.

Em um volume único,  Batman: A Máscara da morte entrega uma história fechada bem estruturada, que entrega um final que possibilitaria uma seqüência, o que até seria bem vinda para a mitologia oficial e até possibilitaria o surgimento de um(s) novo(s) possível vilão(ões).